Salmão, abacate, nozes e azeite são algumas das fontes de vitamina F

Se você já ouviu falar na vitamina F deve saber que ela não é uma vitamina propriamente dita, correto? Pois é. Na verdade, a "vitamina" também pode ser chamada de ácidos graxos essenciais. Ela é considerada uma substância essencial para o nosso organismo e contribui para a formação de gorduras, principalmente as poli-insaturadas, que não conseguimos produzir no organismo por conta própria. Quer um exemplo? Os ômegas 3 e 6 - presentes em grande quantidade no salmão, na truta e no atum - são ácidos graxos essenciais e, consequentemente, um tipo de vitamina F. Confira a matéria para saber para que serve esse nutriente!

Considerado uma vitamina F, o ômega 3 contribui para a manutenção das funções cognitivas

As funções cognitivas do nosso cérebro - memória, atenção, raciocínio e linguagem, por exemplo - dependem do ômega 3, um dos tipos mais importantes de vitamina F. O nutriente também é fundamental para a manutenção das membranas celulares (que protegem as células do nosso organismo) e do sistema nervoso central. Ou seja, já deu pra perceber que é importantíssimo consumi-lo diariamente, né?

Por ser um nutriente essencial, o ômega 3 não é produzido pelo nosso corpo, devendo ser consumido através de suas fontes alimentares, como peixes de água fria - como salmão, atum, sardinha, truta, arenque e linguado -, castanhas, nozes, amêndoas e oleaginosas num geral, óleos vegetais (como azeite), folhas verde-escuras, sementes, leguminosas, camarão e abacate.

Ômega 6 é outro ácido graxo essencial ao organismo

O ômega 6 é outra variação de vitamina F muito importante para o organismo! O nutriente também interfere na formação das membranas celulares, é essencial para a saúde da retina do globo ocular e colabora para o bom funcionamento do sistema imunológico. Além disso, é um dos ácidos graxos que ajudam na síntese hormonal.

Os alimentos ricos em ômega 6 também são os peixes de água fria, oleaginosas, sementes de linhaça, chia e outras, e leguminosas como feijão, ervilha e grão de bico.

A deficiência de vitamina F pode causar problemas de déficit de atenção e colesterol alto

Não consumir a quantidade necessária de vitamina F (ou ácidos graxos essenciais) pode causar uma série de problemas ao organismo, como déficit de atenção (incluindo TDAH em crianças), maior risco de problemas cardíacos, colesterol "ruim" elevado (LDL), distúrbios neurológicos e neurodegenerativos, como perda de memória e falta de concentração, desidratação da retina e alterações relacionadas ao humor.